Frase

"Nós, Policiais Militares, sob a proteção de Deus, estamos compromissados com a Defesa da Vida, da Integridade Física e da Dignidade da Pessoa Humana"

42º BPM/I


HISTÓRICO

O 42º BPM/I remonta suas origens aos idos de 1975, quando através da Lei nº 7.289, de 15/03/1975, foi oficialmente criado o 18º Batalhão de Polícia Militar do Interior, o qual tornou-se responsável pela segurança das áreas da alta sorocabana e da alta paulista, num total de 50 municípios, cujo trabalho diuturno era desenvolvido.
Na década de 1980, com o surgimento do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), os quais se empenhou na luta pela posse da terra e a efetivação da reforma agrária, a área que hoje pertence ao 42º BPM/I tornou-se palco de constantes ocupações de propriedades e as consequentes reintegrações de posse na região do Pontal do Paranapanema. Os principais municípios envolvidos nesse processo foram Teodoro Sampaio e Mirante do Paranapanema, que compõe a área do 11º perímetro do Estado, considerada terras devolutas e griladas pelos fazendeiros, cuja preservação da ordem estava a cargo da 3ª Companhia PM sediada em Presidente Epitácio. Essa Companhia era responsável pelos municípios de Santo Anastácio, Piquerobi, Caiuá, Mirante do Paranapanema, Marabá Paulista, Teodoro Sampaio e Presidente Epitácio, tornando-se imperiosa a criação de um Batalhão nessa área de conflitantes interesses.
Com o recrudescimento das ocupações e a criação de agrovilas pelo Governo do Estado, surgiu a necessidade de um Batalhão PM que se responsabilizasse diretamente pela região do Pontal do Paranapanema, e em 15 de março de 1991, o Governo Paulista criava através do Decreto nº 33.128, o 42º Batalhão de Polícia Militar do Interior, conforme publicação no Diário Oficial do Estado nº 50, de 16/03/91, tendo sido escolhido como sede a cidade de Presidente Venceslau/SP.
Em 06 de maio de 1991, teve início as atividades de manutenção da ordem pública na nova área de atuação, sendo oficialmente inaugurado em 12 de junho do mesmo ano, com o efetivo de 359 Policiais Militares distribuídos em uma Companhia de Comando de Serviço e duas Operacionais, com atribuições sobre 8 municípios do Pontal do Paranapanema, sendo Presidente Venceslau, Santo Anastácio, Piquerobi, Presidente Epitácio, Caiuá, Marabá Paulista, Mirante do Paranapanema e Teodoro Sampaio.
Mais tarde com a emancipação político administrativo dos municípios de Rosana, Ribeirão dos Índios e Euclides da Cunha Paulista, a área do Batalhão passou a abranger 11 municípios.
O primeiro Comandante da Unidade foi o Tenente Coronel PM Jácomo Antunes de Andrade, no período de 30 de maio de 1991 a 16 de setembro de 1993.
Na sequência, o 42º BPM/I teve os seguintes comandantes efetivos: Tenente Coronel PM Heliodoro Alexandre Abolins, de 26 de maio de 1994 a 25 de maio de 1995; o Tenente Coronel PM Paulo de Oliveira Coelho de 26 de maio de 1995 a 11 de maio de 1997; o Tenente Coronel PM Lauro Silas Vogel de 31 de maio de 2000 a 22 de junho de 2000; o Tenente Coronel PM Élio Aparecido Costa de 23 de junho de 2000 a 12 de novembro de 2002; o Tenente Coronel PM Getúlio de Almeida Pinto de 19 de dezembro a 22 de junho de 2004; o Tenente Coronel PM Jair Paulo Guetz de 09 de setembro de 2004 a 19 de fevereiro de 2008; o Tenente Coronel PM Josué Filemon Ribeiro Pereira de 24 de maio de 2009 a 21 de junho de 2010;  e o Tenente Coronel PM Donizete Martins dos Reis de 15 de dezembro de 2011 até o mês de dezembro de 2012.
O 42º BPM/I, cuja sede dista cerca de 620 km da Capital, constitui-se na Unidade da Polícia Militar do Estado de São Paulo responsável pelas ações de polícia ostensiva e de preservação da ordem pública da região do Estado hoje conhecida com “Extremo Oeste Paulista”.
Para fazer frente à demanda de Polícia Ostensiva dos onze municípios da região (Presidente Epitácio, Presidente Venceslau, Teodoro Sampaio, Santo Anastácio, Rosana, Mirante do Paranapanema, Euclides da Cunha Paulista, Caiuá, Marabá Paulista, Piquerobi e  Ribeirão dos Índios) a Unidade dispõe de um efetivo de policiais bem qualificados, distribuídos em 04 Companhias (sendo uma de Força Tática), 09 Pelotões, 05 Grupos, além do efetivo administrativo da sede do Batalhão, que atende a toda circunscrição regional.
Embora o contingente populacional, usado comumente como o dado mais importante para se avaliar a demanda por segurança de uma região, possa ser considerado modesto, dentro do Estado de São Paulo, a diversidade de aspectos e oportunidades a se explorar na prestação de serviços às comunidades locais merece destaque.
Inicialmente deve ser mencionada a posição geográfica da região, pelo seu potencial estratégico no Estado e no País, limitando-se ao norte com o 25º BPM/I – com sede em Dracena/SP e responsável pela Nova Alta Paulista - a leste com o 18º BPM/I – Presidente Prudente/SP, ainda perfaz 140 quilômetros de divisas ao sul com o Paraná, intermediadas pelo rio Paranapanema e 200 quilômetros  de divisas a oeste com o Mato Grosso do Sul, por meio do Rio Paraná, bem como por estar situada a cerca de 514 quilômetros do Paraguai. Tal extensão de bordas interestaduais, facilmente acessíveis por meio aquático e terrestre ressalta sua vocação como portão de entrada e saída de pessoas e bens, com todas as decorrências positivas e negativas cabíveis.
Do ponto de vista histórico, e em especial no que concerne ao processo de ocupação dos espaços rurais, ressalta-se a aptidão regional em atrair movimentos sociais ligados à questão fundiária.
Pela política fundiária de fixar o homem à terra, seu meio natural, foram criadas áreas de assentamentos em diversos municípios, destacando-se as Gleba XV de Novembro, Rosanela, Tucano, São José, Ribeirão Bonito, Água Sumida, Areia Branca, Santa Clara, São Bento, Canaã, Flor Roxa, Washington Luiz, Haroldina, Santa Apolônia, Marco II, Estrela D’Alva, Arco Íris, Santas Carmem, Santa Cruz e Santa Rita do Pontal, todas no Pontal do Paranapanema.
Nessas glebas foram assentados trabalhadores rurais, não só do Estado de São Paulo, mas também de outros Estados da Federação, especialmente da região norte do Estado do Paraná, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Grupo Esperança Viva e Movimento dos Trabalhadores Sem terra do Pontal (MSTP).
Em Presidente Venceslau/SP foram implantados os assentamentos Primavera I e II, Radar, Figueira e Tupaciretã Paulista; em Cauiá/SP foram criados os assentamentos Santa Maria e Maturi e em Presidente Epitácio/SP os assentamentos Lagoinha, Porto Velho e Engenho II; em Piquerobi/SP os assentamentos São José da Lagoa, Santo Antônio da Lagoa e Santa Rita do Buzo; e finalmente em Ribeirão dos Índios /SP o assentamento Yapinari, por variados movimentos sociais, como Movimento dos Agricultores Sem Terra (MAST), Movimento Nova Força (MNF), Associação Brasileiros Unidos Querendo Terra (ABUQT) e Movimento Terra Brasil (MTB).
Também é marcante a atratividade que os pontos turísticos da região, especialmente os situados na área litorânea (tão extensa é a massa fluvial, que a expressão “litoral oeste” cabe perfeitamente) que servem a todas as modalidades de lazer aquático e derivadas.
Na área propriamente interiorana encontram-se instaladas duas penitenciárias em Presidente Venceslau/SP, uma Penitenciária no município de Marabá Paulista/SP e um Centro de Detenção Provisória (CDP) no município de Caiuá/SP.
Existem também as duas Usinas Hidrelétricas (UHE) posicionadas no ambiente fluvial que abastecem diversas cidades da Região Oeste e Central de São Paulo e parte dos Estados circunvizinhos. Uma localiza-se no Rio Paranapanema, sendo ela "UHE de Rosana" e a outra localiza-se no Rio Paraná, sendo ela a "UHE Engenheiro Sérgio Motta", a qual recebeu para suas inaugurações da visita do Exmo. Sr. Presidente da República Fernando Henrique Cardoso, a primeira em 19 de agosto de 1996  e a segunda em 23 de fevereiro de 1999. Ambas UHE são consideradas áreas de segurança nacional.
Na atual conjuntura, tais instalações não têm merecido maior preocupação quanto à Ordem Pública, contudo a Polícia Militar não pode se esquivar de sua missão constitucional de dar a primeira defesa a elas, no caso de grandes conflitos internos ou externos.
O 42º BPM/I tem por meta a união de forças com todos os segmentos da sociedade, buscando a consolidação de uma comunidade mais humana, mais segura e mais fraterna, pois este será sem dúvida o maior legado que poderemos deixar às gerações vindouras.
O primeiro endereço da 42º BPM/I foi a Avenida João Pessoa, 565, Centro e atualmente sua sede está localizada na Avenida Carlos Platzeck, 597, Jardim Coroados, ambos endereços em Presidente Venceslau/SP.


BRASÃO





DESCRIÇÃO HERÁLDICA DO BRASÃO

O brasão é um escudo português clássico, redondo, partido e cortado, todo orlado em jalne (ouro), tendo em primeiro campo de golpes (vermelho), que simboliza a audácia, grandeza e espírito de luta, duas pistolas cruzadas em jalne (ouro), que é o emblema da Polícia Militar; no segundo campo de prata, que é a pureza de ideal, o dever e a lealdade, o escudo da Polícia Militar de São Paulo (que é a parte do brasão da PM), para particularizar nossa Instituição; no terceiro campo em blau (azul), que simboliza a justiça, a perseverança, o zelo, e a lealdade, tendo uma elevação (monte) em sinople (verde); com uma cruz em branco representando o Morro de Santa Cruz, hoje conhecido como Morro do Diabo, tudo em fundo branco, separado pelos rios Paraná e Paranapanema, símbolos da vida, representado por uma barra em uma faixa retilínea em blau (azul) e prata, sendo atravessado por pontes e barragens das usinas hidroelétricas de “Rosana” e “Primavera”, a destro em fundo blau (azul), a sombra do sol poente ao natural, que é o símbolo do poder e vitória, com as vistas voltadas ao pontal do Paranapanema, localizando a sede do 42° Batalhão de Polícia Militar do Interior na cidade de Presidente Venceslau.
Acima do escudo o timbre de um leão rampante em jalne (ouro), apoiado sobre um virol de golpes (vermelho) e prata, empunhando um gládio com punho de ouro e lâmina de prata, que é a parte do brasão da PMESP e abaixo um listel em fundo de golpes (vermelho) com a legenda em letras de prata (42° BPM/I).

ÁREA DO 42º BPM/I

       O 42º BPM/I localiza-se no pontal do Paranapanema, fazendo divisa ao sul com o Estado do Paraná (rio Paranapanema) e a oeste com o Mato Grosso do Sul (rio Paraná), além de fazer divisão ao norte com os municípios do 25º BPM/I e a leste com os municípios do 18º BPM/I.
         Abaixo temos o mapa do Pontal do Paranapanema com os municípios que fazem parte do 42º BPM/I. 




DIVISÃO OPERACIONAL DO 42º BPM/I





ORGANOGRAMA DO 42º BPM/I






FOTOS ANTIGAS







































CANAL DO YOUTUBE