Frase

"Nós, Policiais Militares, sob a proteção de Deus, estamos compromissados com a Defesa da Vida, da Integridade Física e da Dignidade da Pessoa Humana"

HERÓI DA PMESP



Capitão Alberto Mendes Júnior - Heroi da Polícia Militar do Estado de São Paulo


Nasceu aos 24 de janeiro de 1947, na Capital do Estado de São Paulo, e era filho de Alberto Mendes e Dona Angelina Plácido Mendes. Desde cedo o garoto Alberto manifestava o seu desejo de ingressar na Instituição, da qual, pela voz de seus tios, só bem ouvia falar, fazendo crescer em tamanho e idade aquele ideal em sua mente. O convívio sadio da família plasmou-lhe o caráter firme e a excelente formação moral. Filho extremoso, só deu aos pais alegrias e satisfação. Manteve sempre apego à família, “Célula Mater” de toda uma Nação.
Ao terminar o ginásio, pôde realizar o sonho de criança, entrar para a Polícia Militar do Estado de São Paulo. Em 15 de fevereiro de 1965 foi alistado nas fileiras da Instituição, por haver sido aprovado em todos os exames e conseguindo classificar-se no concurso para ingresso no Curso Preparatório de Formação de Oficiais. Quatro anos e dois meses após, concluído o Curso de Formação de Oficiais, e, em 21 de abril de 1969, por estranha coincidência, dia e mês em que Tiradentes foi enforcado, foi declarado Aspirante a Oficial, possuindo 22 anos de idade.
Em 02 de julho de 1969, foi apresentado ao 15º Batalhão de Polícia (BP), lá classificado por efeito de promoção. Em 15 de novembro de 1969 foi promovido por merecimento intelectual ao posto de 2º Tenente, permanecendo naquela Unidade. Em 06 de fevereiro de 1970 foi apresentado no 1º Batalhão de Polícia “TOBIAS DE AGUIAR”, uma vez ter sido transferido por conveniência do serviço, através de publicação inserta no Boletim Geral nº 25 de 25/02/1970. Logo quando da sua chegada, já se entrosou perfeitamente ao convívio de seus novos companheiros.
De espírito jovial e alegre captou desde o começo a amizade de todos aqueles com quem teve a oportunidade de privar. Era o alegre “PORTUGUÊS”, como era chamado por seus colegas, sempre sorridente, dedicava-se com denodo esforço ao serviço, desempenhando sempre com galhardia as missões que lhe eram confiadas. Em fins de abril de 1970 era descoberto um foco de terroristas no Litoral Sul. Tropas do Exército Brasileiro, da Força Aérea, da Marinha e da Polícia Militar do Estado de São Paulo, deslocaram-se para aquela região. Foi o 1º BP “TOBIAS DE AGUIAR” designado pelo Comando geral da Polícia Militar, para prestar apoio à Tropa da Companhia Independente com sede na cidade de Registro/SP. Para lá seguiu o Tenente PM Mendes no comando de um pelotão,  juntamente a outro efetivo comandado por outro Oficial, todos sob o comando do Capitão Carlos de Carvalho.
Após uma semana naquela cidade, recebeu do Capitão ordens para regressar com um dos pelotões para São Paulo, deixando em Registro/SP apenas um, comandado por um dos Oficiais. Não houve escolha, pois o Tenente PM Mendes apresentou-se e solicitou para que permanecesse, demonstrando mais uma vez sua dedicação ao serviço. Na noite de 08 de maio de 1970, aproximadamente às 21:00 horas, os terroristas atacaram de surpresa um dos postos da Guarda que era feita por homens pertencentes ao pelotão, localizado próximo a Sete Barras. Tomando conhecimento do fato, o Oficial dirigiu-se ao local para prestar socorros aos seus comandados, porém, mal sabia que caminhava para uma emboscada que havia sido preparada pelos terroristas. Prendendo oito integrantes do pelotão, eles aguardavam a sua chegada. Emboscado, com inferioridade de homens e armas, estando cercado por todos os lados, foi atirado aquele jovem num dilema: ou cessavam o fogo ou entregava-se sozinho, ou morreriam todos. Evitando o sacrifício dos seus comandados, falou mais alto o espírito de herói; entregava-se o Oficial para salvar a vida de seus comandados, porque era um líder; entregava-se por que era perfeito chefe cônscio de suas responsabilidades.
Depois de morto em maio, seu corpo foi apenas encontrado em 09 de setembro do mesmo ano, através de longas buscas, levadas a efeito por indicações de um dos terroristas preso. Foi velado na sede do Batalhão "TOBIAS DE AGUIAR", seguindo seu enterro para o cemitério do Araçá, onde calculou-se o acompanhamento de aproximadamente cem mil pessoas, entre militares, comerciantes e industriais.


Nenhum comentário:

CANAL DO YOUTUBE